O regresso com tempo

magritte-ceci_nest_pas_une_pipe

Magritte – Ceci nést pas une pipe
Fiz uma pausa neste blogue, fiz porque aconteceu, distrai-me com outras coisas, não foi intencional. A pausa fez bem, fez-me pensar, queria tornar o blogue mais profundo, menos superficial, gostava de ir ao encontro dos autores, dos criadores, procurar mais fundo. Por isso em vez de um post por dia vou optar por fazer quando houver tempo.
O TEMPO é fundamental nestes novos tempos. Vivemos todos com pouco tempo, porque queremos, enchemo-nos de coisas e não usufruímos das necessárias. Já nem escrevemos cartas, envia-mos e-mails uns aos outros em formato industrial. Queremos ver tudo, apoderamo-nos das coisas, vemos tudo sempre com uma máquina fotográfica na mão, não vemos – tiramos fotografias para vermos depois. Na verdade a nossa vida não passa desse adiamento de tudo, até do amor (António Ramos Rosa). Adiamos a vida para vivermos depois, virtualmente através da fotografia. Sinto isso nos meus alunos, que numa visita de estudo ao Parque Biológico de Gaia vinham com as suas máquinas digitais e tiraram fotografias a tudo, mas viram de uma forma superficial, não sentiram os sons do riacho, dos pássaros a cantar, não pararam apreciar a ave de rapina à janela de um abrigo para observação de aves, apenas olharam em poucos segundos e tiraram muitas fotos. A verdade é que a atitude dos alunos é um pouco mais intensa do que a nossa, fazemos o que eles fazem há muito tempo, quando vamos visitar um lugar tiramos muitas fotos e depois maçamos os nossos amigos com essa prova evidente da nossa ida, esse materialidade da nossa excursão. Os alunos apenas reproduzem aquilo que nós fazemos, intensamente, exageradamente e abusivamente (para termos consciência dessa miséria que há em nós) As nossas viagens não passam de um virtual sobre o analógico, com fotos e tudo, tudo a fingir. São poucos aqueles que ainda sobrevivem a este massacre, a este extermínio, a este suicídio. Apelo para que possamos viver melhor, com tempo. Apelo para revertermos esta situação. Eu por aqui vou tentar fazer isso. 

Nada melhor do que este quadro de Magritte para ilustrar o que disse – Isto não é um cachimbo é a imagem de um cachimbo (há dúvidas?)

4 thoughts on “O regresso com tempo

  1. Pois
    O nosso problema é que vemos muito
    – abrimos os olhos como animais- mas…
    olhamos cada vez menos,
    porque olhar é parar, apreciar, valorizar , contemplar, …
    ou seja, é ser humano.

    Obrigado pela reflexão.
    Fernando R

  2. Olá amigo e colega, pois tb sou professor de EVT. Esta não é a minha 1ª visita, nem será a última. Mas, desta vez eu tinha que deixar um comentário. Este texto é … impressionante! Tu consegues acertar no ponto mais central.
    Como somos tão superficiais, não é verdade?
    O teu texto incomodou-me, é verdade. Mas por isso mesmo é que eu gostei. Pois, diz a verdade.
    E o tempo, é tão importante, como é importante contemplar o mundo com tempo!
    Um Bem Hajas, amigo!

  3. Pois … de facto tens razão, dedicamos tão pouco tempo ao sentir, ao usufruir, ao estar … Mas a fotografia também é uma forma de contemplar e perpetuar o que vivemos … gostava de ter uma máquina fotográfica incorporada no meu corpo e com uma capacidade técnica/resolução igual ao meu olhar para registar todos os momentos belos que assisto.
    :))

    p.s. já estava a estranhar a tua ausência!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s