O Elemento

Ken Robison considera fundamental encontrar O Elemento, ou seja, encontrar uma actividade que nos faça sentir bem e vivermos em equilíbrio, sentir-nos realizados como pessoas, para isso é necessário ir ao encontro do nosso talento. Neste livro dá muitos exemplos de pessoas que encontraram “O Elemento”. Ken Robison é critico a este paradigma educativo em que vivemos actualmente e que parou algures na revolução industrial em que as escolas “… foram criadas à imagem do industrialismo. Em muitos sentidos, foram concebidas para apoiar a cultura fabril que reflectem. Isto é particularmente verdadeiro nos liceus, onde os sistemas escolares baseiam a educação nos princípios  de uma linha de montagem e na divisão eficiente do trabalho. As escolas dividem o currículo em segmentos especializados: alguns professores instalam a matemática nos alunos e outros instalam história. Organizam o dia em unidades padronizadas de tempo delimitadas pelo toque da campainha, à semelhança do que sucede numa fábrica (…). Os estudantes são educados em grupos constituídos de acordo com a idade, como se a coisa mais importante que têm em comum fosse a data de fabrico. São submetidos a exames estandardizados e são comparados entre si antes de serem enviados para o mercado.” Outra das ideias que encontrei no livro é importância de vivermos num estado mais ecológico educacional onde “compreender os elementos dinâmicos do crescimento humano é importante para sustentar as culturas humanas futuras (…).” Considera que “(…) a educação não precisa de ser reformada: precisa de ser transformada. A chave dessa dessa transformação está em personalizar a educação e não em uniformizá-la – descobrir os talentos individuais de cada criança, colocar os estudantes num ambiente onde queiram apreender e onde possam identificar de forma natural as suas verdadeiras paixões.” Para isso é necessário a educação artística e criatividade na escola. Infelizmente este é um processo que está a ser invertido nas escolas em todo o mundo, é reduzido do currículo as disciplinas de carácter artístico e substituídos por outras que os preparem melhor para as avaliações (exames) cada vez mais padronizados. Ken Robison descreve experiências pedagógicas de sucesso, onde a ideia que as disciplinas são caixas fechadas onde os alunos vão lá respirar matérias umas horas por dias são deixadas para trás.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s