Andar de bicicleta em Barcelona


Para os residentes em Barcelona a mobilidade dentro da cidade é muito grande, além dos transportes público que são muitos e variados pode-se andar de bicicleta – há muitas ciclovias, há lugares específicos para colocar a bicicleta no metro e há o bicing – qualquer residente que queira pode adquirir um cartão por 24 euros por ano permitindo pegar numa bicicleta em qualquer ponto da cidade e colocar noutro, se andar mais de 30 minutos começa a descontar um crédito, há centenas de estacionamentos na cidade e as bicicletas são todas recolhidas à meia noite.

Gassama


Este é Gazama um artista plástico que trabalha e dorme no chão numa rua perto da Catedral do Mar e Barcelona. Pinta nas suas tábuas de madeira (pinho das caixas de fruta) sobre lápis de cor. Pinta principalmente casas com quintais e árvores numa falsa perspectiva cavalheira. Pinta o seu ideário de casa, a sua obsessão de quem vive na rua, talvez a mesma obsessão do Le Corbusier ou de Gaudi.

Outras exposições no MACBA


“Moderno y presente. Cambio de siglo en la Colección MACBA” com algumas peças que já tinha visto nas anteriores colecções; “Museo de las narrativas paralelas. En el marco de La Internacional” com trabalhos de artistas plásticos da união soviética – encontramos os tais paralelismos com as obras dos artistas mais ocidentais (podemos até comparar com os trabalhos de Ángels Ribé.

Àngels Ribé – No Labirinto

Uma das principais artistas conceptuais catalã o trabalho dela é muito semelhante ao trabalho feito por Helena Almeida. Ve-se que interagiu com os seus contemporâneos pois são evidentes as relações que estabeleceu e os movimentos artísticos  dos anos 70 que  abrangeu – minimalismo abstracto, body art, land art, etc. A Exposição está em Barcelona na MACBA. Uma das peças que gostei mais foi o Labirinto em cortinas de plástico.







Parar para beber um sumo e uma salada de fruta


La Boqueria é paragem obrigatória em Barcelona, fica a meio das Ramblas entre a Praça Catalunha e Santa Mónica. Além de beber o sumo e comer a salada de fruta, podemos usufruir do festival de cores daquele mercado. Podemos ainda verificar que, embora aquele mercado fique no centro de Barcelona, grande parte dos produtos são mais baratos do que em Portugal. Nos supermercados também notamos isso, assim como nas livrarias, etc. Sei de fonte segura que o aluguer de um apartamento no centro de Barcelona é mais barato do que na periferia de Lisboa. Sendo os ordenados muito superiores ao de cá como é possível que isto aconteça?







La Educacion Artistica No Son Manualidades


“La Educacion Artistica No Son Manualidades” é o título do livro de Maria Acaso. Do que li em blogues, jornais e do pouco que li do livro na visita a uma livraria em Barcelona, considero que este livro é um manifesto critico ao estado da educação artística.
A valorização dos aspectos técnicos em prol da reflexão artística está muito presente nos nossos currículos escolares. A autora também fala do “lixo tóxico” e do “hiper-desenvolvimento da linguagem visual” lançado pelos média que não permite a interpretação e não promove a cultura visual. Propõe um “curriculum-placenta”. Irei estar atento ao que esta autora quer dizer, pois parece-me muito pertinente o seu ponto de vista.

Always remember the victims of fascist regimes


Em Barcelona há uma praça (Plaça St Felipe Neri) onde o Franco, durante a guerra cívil, fuzilou todos aqueles que se manifestavam (ou eram acusados de se manifestar) contra o regime. Foram milhares de mortos, cada buraco foi feito com centenas de balas. Ainda hoje os Catalães não esquecem o que foi este acto sanguinário e por isso Barcelona tem uma orientação política essencialmente à esquerda, é também por isso que é uma cidade cosmopolita e tolerante, é também por isso um grande centro de artes e de criatividade porque estas coisas estão relacionadas.É bom ter um primo em Barcelona, reencontrei nesta viagem que fiz depois de muitos anos sem o ver, foi ele que me levou a conhecer um pouco mais da cultura catalã.

Dunas


Foi o nome do espectáculo que fui ver em Barcelona. Foi excepcional, digo que nunca vi um espectáculo tão bom. Envolve sempre a ideia de deserto e areia, mas também a relação amorosa entre uma Espanhola e um Marroquino. O espectáculo envolve dança, projecção, desenho em areia, luzes, música. Foi apresentado no Teatro Ópera do Liceu, uma sala muito bonita e que tive oportunidade de fotografar.