Funcionalismo

Em França, nascia uma outra corrente de arquitetura que ficou conhecida por funcionalismo. O seu criador foi o suíço Le Corbusier. O Propósito de Corbusier era encontrar soluções racionais, tecnicamente avançadas e funcionalmente modernas, para resolver o problema habitacional nas grandes cidades, em crescimento acelerado no pós-guerra. Para isso, analisou os comportamentos e as necessidades coletivas e realizou estudos de ergonomia e proporcionalidade para calcular matematicamente espaços e bens de equipamento. Com esses dados, conseguiu determinar aquilo que chamou “o mínimo vital”, conjunto de requisitos com base nos quais estabeleceu as suas regras arquitetónicas que se baseiam em cinco pontos essenciais:

  • Construção apoiada em pilares, colocados livremente em relação à planta e servindo para sustentar e isolar o edifício do solo;
  • Tetos planos, aproveitados para terraços e jardins de cobertura;
  • Plantas de andares livres;
  • Fachadas livres;
  • Janelas em bandas horizontais.

Le Corbusier traduziu o seu conceito de arquitetura na máxima “a casa é uma máquina para habitar”

le-corbusier-unite

Unidade de Habitação Marselha – Le Corbusier

Anúncios

Bauhaus

A Bauhaus (à letra Casa para Construção) foi uma escola de artes alemã criada em 1919 em Weimar por Walter Gropius. Possuía um programa e um currículo e programa inovador que associava as artes aplicadas às belas-artes e á industria, ligavam a teoria à prática e concediam grande liberdade de criação, promovendo a inovação. Este carácter inovador e radical levou em 1933 a perseguição dos Nazis e fecho da escola.

O departamento de maior sucesso na Bauhaus foi o de arquitetura, orientado primeiro por Groupius e depois por Hannes Meyer e Mies van der Rohe. A arquitetura da Bauhaus foi uma arquitetura racionalista e funcional, caraterizada por:

  • Construção em esqueleto interno em aço e paredes em betão, rebocadas a branco;
  • Volumes de formas geométricas básicas, como cubos e paralelepípedos;
  • Tetos planos em terraços;
  • Fachada e plantas livres;
  • Interiores estandardizados, organizados com grande funcionalidade;
  • Interligação interior-exterior através das grandes janelas.
bauhaus_predio

Walter Gropius edifício da Bauhaus

A arquitetura neoplasticista

  • A arquitetura neoplasticista defendeu um desenho formal de grande rigor matemático e geométrico, com paredes retilíneas organizadas ortogonalmente, grandes vidraças a cortar a noção de “caixa fechada”, espaço interior livre e polifuncional, e a exclusão de qualquer ornamento com a exceção de pequenos apontamentos de cores primárias.
2196_l

J. J. P. Oud Café De Unie

Inovações técnicas até à 1ª Grande Guerra

Dominada ainda pela Arte Nova, a grande preocupação da arquitetura europeia dos primeiros anos do século XX foi fazer corresponder a arte de construir à “modernidade” da vida da época, caracterizada pelos avanços da industrialização e das tecnologias e por um quotidiano cada vez mais acelerado.

  • Na França, os arquitetos François Hennebique, Auguste Perret e Eugène Freissinet que trabalharam as potencialidades do betão armado na substituição do tradicional sistema de suporte em postes e vigas ortogonais.
  • Na Áustria, o arquiteto Adolf Loos que lutou para implementar uma arquitetura urbana racional e pragmática, adaptada à época, que empregasse betão armado em formas geométricas de paredes retilíneas, planta livre e com organização funcional do espaço.
  • Na Alemanhã, o papel principal foi desempenhado pelos arquitetos da Deutscher Werkbund, criada em 1907, associação que teve como principal objetivo a modernização da produção alemã, em todas as áreas, ligando a arte à indústria. No departamento de arquitetura juntou-se arquitetos que vão ter importância após a primeira guerra Max Berg, Walter Groupius, Mies Van der Rohe e Le Corbusier. No seu conjunto inovaram por aplicar critérios racionais e funcionais ao projeto, pela utilização de betão armado e do esqueleto interno em aço, pela libertação das fachadas onde o vidro ganhava cada vez mais espaço e pela planta de andar livre.

    e20f495f0adbfe5f7b63f207c2203fff

    Fábrica Fagus de Gropius, Mayer e Vermer

Abstração Geométrica

Canto VII 1963-4 by Barnett Newman 1905-1970

Barnett Newman

  • Foi um movimento pictórico nascido nos EUA nos anos 50 do século XX.
  • Define-se por assumir a pintura pelos seus valores próprios e exclusivos, renegando todos os outros.
  • É uma pintura restritiva aos valores da cor e da bidimensionalidade que se executa com cores puras, límpidas e finas, sem texturas nem modelado.
  • Preenchem superfícies de formas regulares e/ou geométricas, ou ocupam toda a tela.
  • Este tipo de execução anula toda a expressão individual e toda a emoção, assumindo a pintura como um exercício plástico e conceptual.
  • São representantes Morris Louis, Barnett Newman e Ad Reinhardt.

Expressionismo Abstrato

76.2553.152_ph_web

Arshille Gorky

  • É um movimento que mistura conceitos do Expressionismo, do surrealismo e do abstracionismo.
  • Nasceu nos EUA em 1947.
  • Utiliza uma linguagem plástica simultaneamente abstrata e figurativa.
  • Recorre a processos e técnicas informalistas (manchas, escorridos, riscos, colagens, etc.).
  • Visa expressar de modo imediato e autêntico os estados de espírito e as emoções do artista.
  • Existe um grupo de expressionismo abstrato europeu CoBrA (Co – Copenhaga, Br- Bruxelas e A – Amsterrdão).
  • São exemplo Arshille Gorky, Willelm de Kooning, Karel Appel (do CoBrA) e Antoní Saura, Mark Rohtko.

Pintura Espacialista

yves-klein-blue-sponge-relief--1957

Yves Klein

  • Uma corrente que nasceu em 1946 com o Manifesto Branco de Morandi;
  • Pintura concisa, depurada, feita de grandes superfícies planas de cor única sobre o qual o artista intervém sobre intervém – com cortes, colagem de objetos ou outros processos – para criar efeitos de tridimensionalidade.
  • São representantes deste movimento Lúcio Fontana e Yves Klein.

Pintura Matérica

b35604-0

Antoni Tàpies, Collage del raspall

  • Executa com pastas e materiais não pictóricos, aplicados no suporte (tela ou outro) por vários processos e depois intervencionados pelo pintor (rasgados, enrugados, etc.) de modo a criar texturas de expressividade plástica;
  • O catalão Antoni Tàpies e o italiano Alberto Burri são os melhores representantes deste movimento.

A Pintura Gestual ou Gestualismo (Action Painting)

Image property of the Albright-Knox Art Gallery, Buffalo, NY.

Convergence, 1952 de Jackson Pollock

  • Nasceu com o americano Jackson Pollock, nos anos 40.
  • Caracteriza-se por ser uma pintura intuitiva e espontânea;
  • Executando em grandes gestos lançados ao acaso;
  • Pinceladas largas ou em escorridos (drippings);
  • Sobre telas de grande dimensão;
  • A sua execução baseia-se no conceito surrealista de automatismo psíquico (relação direta que existe entre o inconsciente, o gesto criativo e o material pictórico como veículo revelador do conteúdo interior).

Para além de Pollock, estão também ligados ao Gestualismo, Franz Kline, Sam Francis, Wols e Nicolas de Stael.

 

Surrealismo (c.1924 – 1939/40)

6284291745_a3ee2b761d_b

Yves Tanguy, Indefinite Divisibility, 1942

  • O Surrealismo foi um movimento literário e artístico.
  • Envolvendo a pintura, a escultura, a fotografia, o cinema, influenciou a moda, a decoração e a publicidade).
  • Desenvolveu-se no período entre as duas Grandes Guerras do século XX.
  • Começou na Europa , mas abrangeu também as Américas e o Extremo Oriente.
  • Partiu de França com o manifesto de André Breton.
  • Reacção dos artistas às duras condições de vida que o pós-primeira guerra desencadeara (o absurdo, desumano e caótico da guerra).
  • Atitude provocatória renegando a cultura e os valores tradicionais nas sociedades tradicionais, valores esses que desencadeara uma guerra.
  • Desejo de inovação e mudança pela afirmação da liberdade do eu interior de cada artista/criador, visando o conhecimento da individualidade, em todas as suas facetas, conscientes e inconscientes, e na sua dimensão física e espiritual.
  • O Surrealismo transformou num ato construtivo o impulso destrutivo do Dadaísmo.

As temáticas do surrealismo

  • O mundo do sonho, da imaginação e da fantasia;
  • Procura alcançar a “surrealidade”;
  • Nasce de impulsos anímicos e de tensões sexuais;
  • Obtêm-se pela subversão do real.
  • Movimento influenciado pela psicanálise de Freud.

 

Processo criativo

  • Escrita automática (escrita imediata, sem muita reflexão, em estado de semiconsciência.
  • Automatismos psíquicos.
  • Sob atividade onírica ou devaneios fantasistas sob efeito do álcool ou drogas.
  • Métodos da Psicanálise (hipnose).

Na execução técnica e formal

  • É possível falar em duas tendências:

– Surrealismo abstrato – que recorre a técnicas já usadas pelo Cubismo e pelo Dadaísmo (colagens, assemblagens, fotomontagens e grattages) do qual Max Ernst é um dos protagonistas.

– Surrealismo naturalista que utiliza técnicas académicas clássico-renascentistas na construção do espaço e das perspetivas associando-as a conteúdos enigmáticos, insólitos ou ilógicos dos quais Salvador Dalí, Yves Tanguy, René Magritte e Paul Delvaux são os principais protagonistas.

A intenção:

  • Explorar o mundo interior o poder da imaginação.
  • Desvendar o inconsciente e desmascarando-o perante a sociedade.
  • Provocar escândalo e assumindo atitudes de agressividade.
  • Atingir o surreal pela desmistificação e subversão do real.

Realismo Figurativo, Realismo Crítico, Neorrealismo

O Realismo Figurativo

  • Surgiu na URSS e nos restantes países do comunismo socialista.
  • Desenvolveu-se a partir dos anos 30.
  • Tem raiz neoclássica e académica.
  • Foi usado para propaganda e promoção dos valores ideológicos do regime de massas, numa linguagem que todos entendessem.
  • Manifestou-se na pintura, na escultura, no moral e no cartaz.
  • Temáticas ligadas às vitórias do regime e ao povo trabalhador.
  • Foi usado também pelos regimes ditatoriais do Ocidente (Nazismo Alemão, Fascismo Italiano, Estado Novo em Portugal, etc…) – Estas ditaduras fizeram da estética realista e académica a estética oficial dos seus regimes, onde a arte era controlada pela censura.

O Realismo Critico e Neorrealismo

  • Nos restantes países europeus e americanos, a tendência realista manifestou-se num sentido mais ético e humanitário (desmascarar as injustiças sociais e os sofrimentos ocultos, exaltar o povo trabalhador face à sociedade burguesa, combater os regimes autoritários, difundir o pacifismo e o anticolionalismo).
  • Concretizou-se de forma livre e pessoal.
  • Apresentava um cunho modernista, de influência expressionista, pós-dadaísta e surrealista.
  • Na França e na Alemanha teve como nome de Realismo Critico ou Realismo Social.
  • Na Itália, Portugal, Brasil, México teve o nome de Neorrealismo.
  • Nomes importantes do Neorrealismo foram os Diogo Rivera, José Clemente, Orozco e David Alfaro Siqueros.
rivera1_o-levante

Mural de Diogo Rivera